Associações

Associação pare receber os direitos autorais junto ao ECAD

São 7 Associações:


Abramus – Associação Brasileira de Música e Artes
http://www.abramus.org.br

Amar – Associação de Músicos, Arranjadores e Regentes
http://www.amar.art.br

Assim – Associação de Intérpretes e Músicos
http://www.assim.org.br

Sbacem – Sociedade Brasileira de Autores, Compositores e Escritores de Música
http://www.sbacem.org.br

Sicam – Sociedade Independente de Compositores e Autores Musicais
http://www.sicam.org.br 

Socinpro – Sociedade Brasileira de Administração e Proteção de Direitos Intelectuais

http://www.socinpro.org.br

UBC – União Brasileira de Compositores
http://www.ubc.org.br

Passo 1: Escolha uma dessas associações acima e associe-se.
Para fazer parte de uma das associações, basicamente você terá que fazer um cadastro, preencher alguns dados, enviar uma foto 3×4 e esperar a confirmação do seu cadastro ou filiação.

Passo 2: Cadastrar as suas obras/músicas na associação que você faz parte.
Mais uma vez, você irá preencher formulários. Você irá informar as suas músicas (gravadas ou não), quais são os compositores e etc.

Muito Importante: Atenção, as Associações citadas acima não realizam o trabalho de REGISTRO DE MÚSICA
Se você quer registrar as suas músicas, com o intuito de ninguém poder copiá-las ou plagiá-las você deverá procurar um destes serviços:

Passo 3: Depois de gravar as suas músicas, você deverá gerar o ISRC da sua música. 

O QUE É ISRC?

O ISRC é como se fosse um RG ou um CPF da gravação.
Cada gravação, ou melhor cada Fonograma tem um número de identificação único, que é o ISRC.
Veja a definição técnica:

O QUE É FONOGRAMA?

Fonograma é um nome técnico dado a gravação de uma música.

Exemplo:
Uma música com o título “Eu te amo”, autor Nando Ramos. gravado no estúdio X em 2015.
Músicos: Nando Ramos bateria e voz, Chicão guitarra e vocais, João Baixo e vocais.
Esta música acima é um fonograma, a gravação, a versão, com esses músicos e etc
Agora veja, se eu resolver regravar a música “Eu te Amo”, em 2017 – ao vivo em Porto Alegre, no Teatro São Pedro, com
Outros músicos, ela terá um FONOGRAMA diferente! Entendeu?
E cada um dos Fonogramas terá um ISRC diferente.

TÁ, MAS COMO EU GERO O ISRC DAS MINHAS MÚSICAS?

Através de um sistema/software, o SISRC. Ele é fornecido pela Associação de Direitos Autorais que você está associado.
No meu caso, eu entrei em contato com a ABRAMUS e eles me passaram então o endereço de download do SISRC.
Porém, após tentar usar o sistema sem sucesso, voltei a entrar em contato com a ABRAMUS e foi então que eles me explicaram que eu deveria adquirir uma licença.
O valor foi de R$ 75.00. Pagamento único.
Só depois de fazer um depósito presencial, e enviar o comprovante, que a ABRAMUS me enviou a licença e pude gerar os ISRC´s das minhas músicas.
O sistema não é nada complicado, mais uma vez, o trabalho é o preenchimento de dados, desta vez, dados da gravação: Os músicos que gravaram, o que tocaram , data da gravação, autores e etc.
Após o cadastro dos dados é gerado os números/código de cada faixa, o tão famigerado ISRC.

Você enviará os códigos para a sua associação.

Lembre-se: Você precisa do ISRC para lançar no digital, nosso intuito com essa série, ou mesmo para prensar CD´s.
No momento em que você for cadastrar suas músicas em uma Distribuidora Digital, como a CdBaby, será exigido o ISRC de cada faixa.

Associações de Direitos Autorais ligadas ao ECAD:
http://www.ecad.org.br/pt/eu-faco-musica/associacoes/Paginas/default.aspx

Biblioteca Nacional:
https://www.bn.gov.br/servicos/direitos-autorais

Para registrar sua música em Mp3:
https://musicasregistradas.com/

Regulamento de distribuição de direito autorais

 

ISRC é a sigla de International Standard Recording Code, ou “código de gravação padrão internacional”: ele serve para identificar a gravação específica de uma música, chamada de fonograma. A execução pública de um fonograma (rádios, bares, shows, etc.) é identificada através do ISRC.

Eu preciso dos ISRCs para a distribuição física e digital das minhas músicas?

Sim; os ISRCs são obrigatórios para a prensagem do seu CD. Além disso, todas as lojas digitais precisam que as faixas tenham seu próprio código, o que serve para controlar a disponibilidade e as vendas nas plataformas de streaming e download.

Quem pode gerar os ISRCs para as minhas faixas?

No Brasil, os responsáveis por gerar e controlar os ISRCs são as sociedades arrecadadoras, como a Abramus, Amar, UBC, Socinpro, entre outras. Por intermédio delas, você pode gerar os códigos para as suas músicas e saber como e quando suas músicas são executadas publicamente para recolher os devidos direitos. Depois de se associar a uma sociedade arrecadadora, ela vai disponibilizar um programa para seu computador, no qual você mesma | mesmo gera seus próprios ISRCs sem custos. O processo todo leva cerca de duas semanas e. depois disso, a geração dos códigos é quase imediata.

A Tratore pode gerar os ISRCs para mim?
Sim. Podemos emitir ISRCs temporários, caso a distribuição de um álbum, EP ou single seja apenas digital. Como o intuito do ISRC temporário é uma mera formalidade para a identificação da faixa e não gera créditos de execução pública, não existe problema em fazermos isso; mas, se você acredita que o fonograma terá execução pública em rádio e TV, ou se precisa do código para incluir em um CD físico, o ideal é seguir os passos descritos acima e se cadastrar em uma sociedade arrecadadora. Neste caso, após gerado o ISRC definitivo, volte ao cadastro da respectiva faixa e acrescente os números no Fonomatic.

Para a distribuição física, recomendamos que os ISRCs não sejam gerados por terceiros. O código serve para identificar o produtor fonográfico, ou seja, quem é a dona | o dono daquela faixa, além de controlar como e quando o fonograma é executado publicamente (em emissoras de rádio ou TV, por exemplo). Ressaltamos que, através do ISRC, você irá recolher os direitos de execução pública.

Se você vai pedir a criação dos ISRCs para terceiros (um amigo filiado a uma sociedade arrecadadora, a empresa que fabricou seus CDs, ou um agregador digital, por exemplo) é bom saber exatamente sobre cada procedimento:

  • Ele está cadastrando a faixa junto ao ECAD e se declarando produtor fonográfico?
    Se este é o caso, ele é o dono da faixa, está retendo parte do valor devido a você pela execução pública e para o ECAD.

  • É esse mesmo o combinado?
    Se não é, peça para que ele transfira o ISRC para você, assim que estiver associado a uma sociedade arrecadadora.

  • Ele não está enviando o cadastro para o ECAD?
    Neste caso, a faixa ainda não está formalmente registrada e os direitos de execução pública ainda estão retidos. O problema é menor – basta você gerar um novo ISRC e enviar o cadastro para o ECAD.

Por isso, indicamos a filiação junto a uma sociedade arrecadadora (uma das mencionadas acima) para gerar e controlar os ISRCs de suas gravações. É um passo necessário em direção à profissionalização do músico, produtor ou selo.